<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d16700766\x26blogName\x3dQue+dois\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttps://quedois.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttps://quedois.blogspot.com/\x26vt\x3d4243628338483160964', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

Que dois

nem sabem o que dizem, nem dizem o que sabem

The most toothless smile in Europe

segunda-feira, maio 29, 2006
Portugal has the most toothless smile in Europe! How? Why?

First of all, the problem is cultural and educational. There has never been a program of dental education in the country. For Example, "Between a top model cell phone and a healthy smile people prefer the phone!" Even Public figures, with no financial problems, appear on TV with smiles full of holes, because most of the people think oral health is not a priority!
Second, the public health system has no dental care whatsoever. The oral health of the Portuguese depends on the private sector. Not surprisingly, many people never go to the dentist until it is too late, when pain is not more bearable!

Third, the situation is even more serious when we consider that millions of Portuguese do not have access to dental care. For lack of buying power (a visit costs between 30 and 75 euros). The problem is especially serious among the old, with one half of senior citizens in Portugal not having one tooth in their mouth! The pensions are so low that they don't cover the high expenses of dentistry. The lack of teeth results in problems of a psychiatric nature, such as isolation and shame. All in all, not a pretty picture.

The problem though is not a shortage of dentists. In a region where almost no dentists even existed twenty years ago, there are now enough to attend to the population. All of them are private and not cheap. The seven Portuguese dental schools (three public and four private) now turn out about five hundred graduates in Dental Medicine. In a few years the growth in the area will be out of control and this will bring serious problems. Of the 4,500 dentists registered in the Order of Medical Dentists (OMD), 20% are foreigners (from 34 nationalities).
The government also allows non-qualified dentists to operate legally. In a controversial decision the National Assembly passed a law legalizing all the dentists without diplomas (called "mechanics") to carry on their practice, with the dubious obligation to do a certain number of courses in a determined number of years. No one thinks that these so called dentists will ever do any courses. Many of them are semi-illiterate and some are too old to set foot in a classroom. Not surprisingly, the population with fewer financial means prefers these ?dentists? because they are cheaper.
The OMD says that in Portugal there are "hundreds of illegal dental clinics." The denunciation of this "shameless situation that occurs in Dentistry, without any control?, comes from Orlando Monteiro da Silva, president of the organization. He states that public health is at risk from the possible transmission of communicable diseases, like Aids and hepatitus, by way of blood and saliva. Furthermore, there is illegal competition for professionals who are already facing the shadow of unemployment.
Recently, the Assembly of the Republic approved a law, readied by the parliamentary group of the Democratic Social Party (PSD) , that will give to the order, powers to inspect and to combat the false dentists, who proliferate all over the country, with particular prominence in the outskirts of Lisbon.
The present law was the only way to change the Order statutes, which now give the Order power to intervening in the combat against the shamless situation that is taking place in Portuguese dentistry, where hundreds of individuals practice with no academic training whatsoever.
With this change in the law, the OMD doesn`t hesitate to "call the police" and "order the closing of clinics that operate illegally?. In addition to the Doctors in Dentistry, who are graduates of the schools of Dental Medicine, there are about 600 "Odontologistas", recognized by the National Association of Portuguese Dentists (ANDEP). (Some of these dentists are Brazilians (university graduates and others are graduates of recent courses in Portugal, while others have no diploma whatsoever.))
Special recognition was given to these professionals in order to preserve acquired rights. Hundreds of candidates were left out, and despite being excluded by the ANDEP, continue to practice dentistry. These are the targets to be hit. The argument of the OMD, besides the obvious illegal competition, relies on aspects of public health, like improper sterilization of material. Patients visiting these "dentists" put their health at risk!The European Commission has instituted a suit against Portugal in the Justice Court of the European Communities, because it considers that the legislation regulating the profession of dentist violates the community directives on Dental Medicine. For the Commission, which is acting after a complaint from the OMD, the profession of ?Odontologista?, as it is defined in Portuguese legislation, has a "field of activity almost identical" to that of the graduates of the schools of Medicine and Dental Medicine. Odontology appears as an "alternative and competing" profession with that of dentist, when its professionals do not have the qualifications foreseen in European directives. The OMD contested Law 4/99, which has already been repealed, but has still not been able to hinder the "odontologistas", who have been awarded professional documents, even some who have any university training.

It is thus that the smile of the Portuguese goes!

André Almeida
Dental Student of Health Sciences Faculty of Fernando Pessoa University

Etiquetas: , , , , , ,

Manifesto da Culpa dos Outros

sábado, maio 20, 2006
"A política é a arte de impedir as pessoas de se meterem naquilo que lhes diz respeito"
Paul Valery (1871-1945)


As sondagens
A opinião sobre a credibilidade dos estudos de opinião tem de variar proporcionalmente ao resultado que determinado estudo nos atribui. Se a sondagem é boa então ?demonstra que o povo português reconhece o trabalho que temos desenvolvido?. Se a sondagem é má lembre que ?nós não trabalhamos para as sondagens?. Não se preocupe em, de tempos a tempos, contrariar-se. O mais provável é que ninguém se lembre do que disse ontem.
De resto, só há dois tipos de sondagens: aquelas que nos dão a vitória e as aldrabadas. E como os outros tipos são uns malandros ultimamente só saem sondagens aldrabadas. Queixe-se do assunto. Várias vezes. Toda a gente sabe que as sondagens aldrabadas aldrabam a opinião que as outras pessoas têm sobre nós.
Comunicação social
Toda a gente sabe que a comunicação social está contra nós. Toda a gente. Sempre esteve. Desde setenta e quatro que os socialistas controlam a coisa. ?Eles são muito bons nisso?. Por muito marmanjões que um tipo nomeie para lá, a ganhar uns milhares valentes, a comunicação social estará sempre contra nós. Por vezes nem nos dá a possibilidade do contraditório.
Não há direito que dêem manchetes e manchetes às propostas do governo (vilmente gamadas dos nossos programas eleitorais) e a nós nos deixem num cantinho de uma página par só porque nada de novo temos para acrescentar. Não pode ser! A comunicação social tem de ser isenta! Tem de ser imparcial!
Acresce ainda que só há dois tipos de jornalistas. Os nossos amigos e os amigos dos outros. Um jornalista só é bom na exacta medida em que está disposto a participar na visão extraordinária que temos para o país.
A unidade
O partido é muito unido. É como uma grande família. Não existem inimigos internos nem tão pouco embirrações pessoais. No máximo dos máximos admitem-se algumas diferenças?mais na forma do que propriamente no conteúdo?mas nada de muito importante.
E é assim mesmo que tem de ser. Como nos clubes de futebol. A nenhum benfiquista lhe passa pela cabeça assobiar o Moretto só porque ele deu um frango do tamanho dos frangos do Ricardo. Claro que não. O rapaz é dos nossos, mesmo que seja o pior guarda-redes da história do futebol profissional e amador.
Não se assobia a equipa. Pelo menos em público. Se no final do jogo você decidir ir ao parque e furar-lhe os pneus às escondidas isso é um problema seu, apesar de tudo eticamente mais aceitável.
Sempre que possa vinque a sua unidade ao partido e a unidade do partido. Aproveite o momento para lembrar as ditas diferenças. Tacitamente fica-se melhor posicionado para a liderança que se segue.
O discurso
Concorde com o líder. Repita que ?estou com ele?, várias vezes, até que lhe cortem a palavra. Um congresso é sempre tempo de fumar o cachimbo da paz e enterrar o machado da guerra nas costas do malandro.
Mesmo que tenha preparado uma claque organizada saiba que ele há coisas que garantem sempre uns aplausos, mesmo que o tenham posto a falar às quatro da manhã. Por exemplo, fale em ?regressar ao espírito do PSD de Francisco Sá Carneiro?, lembre ?a capacidade reformista e empreendedora de Cavaco Silva? e defenda a nova bandeira da ?credibilidade?. Seguindo a mesma linha termine concluindo que é necessário ?renovar o partido?.
O hobbie
Os hobbies intelectuais, tipo ler e escrever, são chão que já deu fruta. É claro que todos os políticos têm de gostar muito de ler mas agora os tempos são de homens que gostam de ler dinâmicos, de homens que gostam de ler de acção, homens que gostam de ler e que façam?jogging. E não podemos desvalorizar esta coisa do jogging. Jogging é muito bom para a fotografia.
Antes de Sócrates já personalidades como Tony Blair e Bill Clinton deram a conhecer-se às massas pelas suas correrias. Guterres ainda tentou duas ou três vezes, mas reparou que se despenteava. Mas isso não interessa. O que realmente interessa é que o jogging é uma marca registada da terceira via.
A confiança
É sabido que o governo começou uma campanha para dar confiança aos portugueses na economia nacional. Essa campanha começou há muito. O primeiro-ministro, por exemplo, tem demonstrado pessoalmente que quase todos os portugueses têm tempo e dinheiro para passar férias caras várias vezes por ano.
As ideias
?Discutir ideias? é uma coisa que assenta bem em qualquer político e um sucesso garantido nas próximas temporadas. Nem é preciso ter ideias, basta discutir a discussão de ideias. Se você é um caciqueiro desavergonhado que só pensa no tacho do vizinho, dizer que se quer discutir ideias é coisa para elevar o debate e a sua cotação no aparelho. Quanto mais repetir a frase, mais longe chegará.
Afinal, o que faz falta ao país são as ideias. Talvez uns livros brancos sobre as ideias. Talvez umas comissões independentes onde as ideias possam ser discutidas. Mas acima de tudo, ideias. Nem é preciso ter uma inteira. Basta metade, talvez um quarto, e também pode ser gamada. Na realidade basta dizer que se tem. O ónus da prova recai sobre a outra parte. E não se preocupe com a ideia do vizinho. A sua ideia é do tamanho exacto da sua garganta.
O teórico
Tudo tem conta, peso e medida e não vale a pena exagerar muito na conversa das ideias. Duas ou três ideias e um tipo é logo chamado de ?teórico?. Toda a gente sabe que isso é o pior que pode acontecer a um político. O lugar dos teóricos e nos gabinetes de estudos a produzir documentos que ninguém vai ler. Um ?teórico? não tem votos e como não tem votos ninguém o vai convidar para um lugar giro. Os teóricos são como os contabilistas. Servem para estar em caves e usam óculos porque não vêm a luz do sol. Um ?teórico? não é um ?político?.
É verdade que um ?teórico? pode acabar na televisão e nos jornais a receber uma milada para dizer mal do próprio partido mas, infelizmente, essa vaga já está ocupada.
As moções
Não perca muito tempo com isso. Está para nascer o militante que alguma vez vá ler uma moção. Não é uma questão de preguiça. Claro que não! Mas você sabe o trabalho que dá estar num congresso? Uma pessoa tem de falar aos amigos, negociar lugares em listas, recolher subscrições e mandar umas larachas por sms . Quem tem tempo para ler moções? Ninguém lê moções. Garanto-vos. Dá para dizer o que quiser que, como se vê, ninguém vem cá ler o que está escrito.
Mas atenção, as moções são como as ideias. Mesmo que ninguém se interesse pela sua, você tem de ter pelo menos uma. Basta uma. Qualquer coisa rabiscada. O que custa é a primeira. Daí para a frente é só copy paste.
A opinião
Não é assim tão grave que o partido mude de opinião várias vezes durante um ano. Sobre a OTA, TGV, a regionalização, o aumento dos impostos, as farmácias e mais as creches. Na verdade, ninguém se lembra o que o partido disse sobre determinada matéria ontem, se é que disse, quanto mais há seis meses atrás. A nossa opinião tem de estar subjugada aos mais altos interesses da agenda mediática e da estratégia eleitoral. Se há votos para ganhar então temos de os ganhar. Afinal, se não for para chegar lá nem adianta andarmos por cá. A comunicação
Como é que uns tipos giros, engomadinhos, que não levantam muitas ondas e até têm imensas ideias engraçadas, perdem eleições ou têm maus resultados nas sondagens? Se nós até somos fantásticos, como é que os outros não percebem logo isso. Simples: comunicação! Vamos assumir isto de uma vez por todas. O nosso problema é a comunicação. Sempre foi. Toda a gente sabe.
Por exemplo. Nós prometemos que íamos descer os impostos. Chegámos lá e a primeira coisa que fizemos foi aumentar os impostos. Caiu o Carmo, a Trindade e o governo nas sondagens. Quase três anos mais tarde os socialistas fazem a mesmíssima coisa e não lhes acontece nada?
O que têm os socialistas que nós não temos? Vangelis, um brasileiro e alguém que saiba trabalhar com powerpoint. Isso é comunicação política.
A oposição
Da oposição espera-se que diga que só há dois tipos de ministros neste governo: os que só fazem asneiras e os que não fazem nada. Da oposição espera-se que denuncia os circos montados para propaganda, que confronte, que critique, que apresente soluções alternativas, que grite bem alto: o rei vai nu e o país não tem mais quatro anos para desperdiçar.
É exactamente por ser isso que eles estão à espera que nós não podemos cometer esse erro. Nós não seremos cúmplices na denúncia da incompetência do governo ou no desgaste da sua imagem. Não. Nem pensar. Nós somos credíveis e não vamos entrar nesses fait divers.
Para além do mais a verdade é que não temos muito jeito para fazer oposição. O PSD é um partido de governo. Serve para governar. Temos é ideias para isso. Temos é projectos para isso. Nós temos é perfil de governantes e não de oposicionistas. Está é tudo pronto para esse dia.
Por enquanto temos de ser pacientes. Fazer a nossa travessia sem esquecer que, por causa do sol, quem veio do deserto apresenta-se sempre com melhores cores. Esperar, porque eles não assim tão bons e mais cedo ou mais tarde vão cometer um erro qualquer. Nesse dia será, outra vez, a nossa vez. A pátria, compungida, agradece.
O povo
A culpa é da crise,das sondagens,da comunicaçãoda conjuntura,da retoma,dos jornalistasda comunicação social, e, especialmente, do povo.
Sim! O povo. Sempre com as suas preocupações egoístas com o seu bem-estar e o futuro do país. Sempre obcecados pelo pormenor. Que teima obstinadamente em não perceber o que é melhor para ele. É preciso dizer a verdade: se o país tivesse outro povo, o partido já estava no governo.

Moção apresentada no XXIX congresso do PSD, por Rodrigo Moita de Deus, Ana Sofia Bettencourt e Alexandre Picoto

Etiquetas: , ,

Arouca

terça-feira, maio 16, 2006
Sabia da existência de "outra" Arouca?, faz já algum tempo que tento descobrir algum conteúdo sobre a Arouca do outro lado do Atlântico, mas nunca fui muito feliz nessa minha pesquisa. De facto, não existe muita informação disponível online. O que arranjei de mais interessante foi este pequeno excerto da História de Arouca, povoação de Trinidad & Tobago, caraíbas.
"Arouca" is a slight corruption of the word "Arauca," which is the true name of the Arawak tribe and language which are spread over the northern regions of South America. In Trinidad, both a river and a region came to be called by that name - a region inhabited by these Amerindian people - and this was the district bounded on the east by the Arima River "Aripo", on the west by the Arouca River "Tacarigua," and on the south by the Caroni River. On the north, the boundaries of this district were ill-defined, but extended into the Northern Range.
The Amerindians of Arouca had been left in peace throughout most of the Spanish days in Trinidad until shortly after the Cedula of Population of 1783, which measure saw thousands of Caribbean French planters and their slaves crowd into Trinidad, Governor Jose' Maria Chacon, wishing to disperse the immigrant planters all over the country to open estates. They collected all the Amerindians from the district of Arouca, and settled them at one point, the Mission to Amerindians on the banks of the Arima River.
Although this drastic step, on a map of 1797 only two settlers were granted land in the vast Arouca district, Tablau and Chaumet. Together they occupied small holdings close together, not too far from the track which was in time to become the Eastern Main Road. This track was the Spanish royal road from Port-of-Spain to the Mission of Arima.
After the removal of the Araucas (or Arawaks) Arouca became a vast, silent place, the only activity being on the estates of Messieurs Tablau and Chaumet. The produce of these estates could not have been significant, and the authorities linked them with the Tacarigua estates for the purposes of statistics. The combined figures for these two districts,were 802 people ( 802 was one of the highest for a district in the Trinidad of that time.), of which number 603 were slaves. The other labourers were the free blacks, numbering 164. There were only 25 whites.
The works in these two combined districts, there were 14 sugar mills turned by mules, two coffee mills, and eight rum distilleries. For grinding the cane there were 12 cattle mills, and there were 18 distilleries which in 1811 produced 4,640 gallons of rum.
Arouca progressed fast. The general population had risen to 1,564. The number of whites was now 80. The free blacks were just 196 now, but the crucial labouring force - the slaves - was now nearly 1,300. Production matchedthis increase. The combined quarters of Tacarigua and Arouca were now heavy producers of cocoa and plantains and rum.
This village, the home of the slaves who cultivated the fields of Messieurs Tablau and Chaumet, woke to life a few years afterwards - at the abolition of slavery in 1838. At that point in time, the Tacarigua slaves, perhaps shunning the sugar-cane areas to the westward, or perhaps wanting to move farther away from the authorities, seemed to have crowded into Arouca.
When Lord Harris divided the island into counties and wards in1849, the old Spanish quarters of Tacarigua and Arouca were designated "Tacarigua Ward." When Lord Harris introduced the system of primary schools in 1851, Arouca was one of the few places to be considered. Based on Patrick Keenan in 1869 report on Trinidad schools, the Arouca Ward School had 176 on roll - the highest total for any Ward School in the Trinidad of that time.
When the Trinidad Government laid down a railway line for passengers and freight between Port-of-Spain and Arima, Arouca became a key railway station, one of the most bustling in the area. The population of this village at the end of 1880 was 2,847 one of the most populous.
Arouca, spreading well to the south of the main road, consisted of 509 domestic houses, and 53 commercial buildings. There were 743 agricultural labourers and 28 planters, showing that its economic base was still largely agricultural however 71 hucksters and shop-keepers gave an indication that it was also a centre of commerce.
There were children a-plenty in the village and census details for 1881 show that Arouca was the only village with two Government schools: Arouca Boys' and Arouca Girls'. Not only that, but it also had a Roman Catholic school and a school of the Church of England (E.C.)
With the lure of Sangre Grande as a new cocoa district and the extension of the railway line to Sangre Grande in 1898. Hundreds of people are said to have ridden the train eastwards to Sangre Grande from the Arouca and Arima districts. Population figures for 1900 show a drop to 1,947 from the 1880 figure of 2,847
Another severe drop was noted in the census of 1931, the population figure was 1,231. This might be explained by recalling that the 1920s marked a decade of steep cocoa decline.
The war years brought Arouca back to life. People rushed into the area to work on the American Army Air Base at nearby Comuto. By 1946 the district had stretched from the one-time Spanish royal road (now the Eastern Main Road) towards a brand new highway the Americans had built - the Churchill-Roosevelt Highway.
About the time the war was ending, the American soldiers withdrew from installations, which were on one of Arouca's old estates called Goldern Grove, and a "Prison without walls" was being established there. The old estate track that had become Golden Grove Road, and at this period it was running southerly past the Churchill-Roosevelt Highway towards where a modern airport was being built on the Piarco Savannah. The new airport was Piarco Airport, and the area had been used as a flying field since the beginning of the 1930s.
Today Arouca does not live on agriculture to any extent, and because of modern transport, a large section of its people, commute, and earn their daily bread elsewhere.
Many distinguished people have seen their earliest days there, and one of the most prominent, Lord Learie Constantine, lies buried in this district.

Etiquetas: ,

Ideias com sumo?

quarta-feira, maio 10, 2006
Há uns anos a esta parte tenho dedicado grande parte do meu tempo a desenhar algum material que fui necessitando para as minhas actividades. Fazendo jus ao provérbio "a necessidade aguça o engenho" fui ao longo dos últimos anos, face às minhas funções ora no associativismo, ora na política, necessitando de fazer um catálogo, um cartaz, um autocolante, uma capa... etc. Ora como é para mim um prazer insubstituível passar horas a criar este tipo de design, fui poupando alguns trocos aos organismos que pertencia e lá fui desenhando tudo o que ia sendo necessário. Entre as estruturas que liderei e/ou colaborei, para negócios de familia, ou para amigos mais próximos já lá vão mais de uma centena de trabalhos. Continuo a faze-lo com o maior prazer, mas sempre com a mesma condição sina qua non, só trabalho por prazer e não pelo dinheiro. E se a causa merecer claro! :) Para ir directamente para o "portfolio" do meu trabalho clique aqui ou em www.andrealmeida.com

Etiquetas: , , ,

Queima das Fitas 06

quinta-feira, maio 04, 2006
Longe dos tempos em que parava toda a vida da cidade, a Queima das Fitas continua a ser o ponto alto da vida dos estudantes universitários. Uns dando-lhe mais, outros menos importância, a tradição persiste, talvez um pouco distante do que foi em tempos, mas viva.
São dias em que o colorido dos cursos invade as ruas, em que a alegria e por vezes os excessos pautam a vida da cidade, em que se tenta retribuir à cidade aquilo que ela oferece aos seus estudantes no decorrer dos anos, porque hoje a Queima não é só uma festa dos estudantes, mas de todos os que desejam participar nela. É uma festa da cidade.
Desde 2002, a Queima é também um pouco de Arouca. A Associação Académica de Arouca (A3) tem vindo a participar nas "Noites da Queima" com uma barraquinha, por onde vão passando e onde se vão encontrando os estudantes arouquenses que frequentam as mais variadas faculdades portuenses, mas também uma imensa massa de gente que conhece Arouca ou que por Arouca tem um carinho especial.
Foi no ano que fundei e presidi a A3 que tive esta ideia, lembro-me perfeitamente do momento em que decidi ir para a frente com o projecto, do momento em que a apresentei à restante direcção da A3 (que saudades daqueles sorrisos e dos olhos a brilhar), mas lembro em particular (neste momento começo a esboçar um largo sorriso) o quanto custou implementar esta ideia. De facto, chegar à FAP (que é uma organização muito egocêntrica e fechada) e exemplificar porque é que uma associação recém-criada, que representa os estudantes de uma terra e não uma faculdade ou curso quer fazer parte da Queima das Fitas foi um exercício complicado, mas que se revelou eficaz. Mas a barraquinha não encerra só a simbologia associativa, representa também a força que uma terra pode ter. A barraquinha não é, assim, apenas da A3, ou dos estudantes de Arouca, mas de Arouca. Inteira.
Esta presença arouquense atrai imensa gente, suscitando muita curiosidade e comentários como "conheço Arouca", ou "parabéns pela iniciativa!", "Arouca tem universidade?" (hehe), "Onde está a barraquinha de vale de cambra?" ou ainda um simples mas significativo "Arouca é muito à frente!".
Mas a barraquinha não foi apenas ponto de encontro e de diversão. Nos meus anos de "gerência" aproveitamos sempre a ocasião para distribuir grandes quantidades de suportes de informação sobre Arouca desde guias e mapas a mapas de percursos pedestres, entre outras infrmações alusivas a Arouca. Bem, caros amigos, marco desde já encontro com vossas excelências para trocarmos umas ideias e beber um copito no sitio do costume.

Etiquetas: , , , ,